Please reload

A FELICIDADE NÃO-SUBSTANCIADA

Há algum tempo a felicidade vem perdendo o caráter de bônus e assumindo uma posição perigosa, quase que uma obrigatoriedade não-substanciada.

 

Se o sujeito tem buscas e triunfos, a felicidade aparece, neste caso, substanciada pelas suas buscas, diferentemente de quando se tem a felicidade como objetivo ou meta.

 

Veja bem, nesta última, a felicidade é buscada diretamente por si só, diferentemente do primeiro caso, onde seria a consequência do triunfo sobre uma certa busca.

 

A busca direta pela felicidade a torna inatingível, mesmo sobre os objetos fetichizados que a cultura contemporânea propõe (um bom caso, uma casa na praia, iphone, títulos e etc.).

 

Estes objetos fetichizados, em sua maioria, estão atrelados ao sucesso financeiro, que por sua vez, mesmo quando se tem muito ainda pode-se ter mais, e mesmo assim a felicidade não é garantida.

 

Se a felicidade não é garantida, compreende-se que seria porque não tem o bastante, e então busca-se ter mais. Esta dinâmica tende ao infinito e a felicidade não se consolida.

 

Em síntese, a felicidade não é consequência do sucesso financeiro, quando a colocamos como fim, ou seja, um objetivo, ela tende a se tornar não substanciada, diferentemente do contexto onde ela simplesmente desabrocha como consequência do triunfo sobre uma certa busca, como que um bônus pela luta.

Please reload

deixe seu comentário abaixo

INSTITUTO ESFERA

Rua Amador Bueno, 1300, Centro

Ribeirão Preto - SP | (16) 3625-0656